Áudio digital é a grande aposta da publicidade digital brasileira em 2019

O brasileiro ouve quase 10h45 de áudio digital semanalmente, uma oportunidade incrível para marcas engajarem suas audiências com uma mensagem direcionada e personalizada. Já os podcasts serão o principal “hit” de 2019 e podemos esperar diversos publishers embarcando nessa onda. Em continuidade à série de tendências do mercado de publicidade digital para 2019, o ExchangeWire Brasil apresenta a visão de executivos da Audio.ad, Triton Digital e JB FM sobre os próximos avanços do mercado brasileiro de aúdio digital.

Os podcasts estarão no “ouvido” das pessoas

“O ano passado foi muito importante para o áudio digital e começamos a ver o formato amadurecendo no Brasil. Este ano foi criado o comitê de áudio digital no IAB e o formato também foi aprovado pela Secretaria de Comunicação do Governo, duas conquistas importantes. Vemos também mais anunciantes aderindo ao formatos e tivemos algumas campanhas “always on” onde o digital foi estratégico para ampliar e reforçar a cobertura da campanha. O próprio produto também vem amadurecendo e introduzimos este ano a segmentação por Geolocalização, coisa inédita no formato até então. Usando SmartData, conseguimos mapear regiões através de pontos de latitude e longitude ou até mesmo marcar pontos de interesse como lojas e restaurantes e impactar pessoas que passaram nestes lugares quando estiverem escutando áudio na internet. Outra importante funcionalidade adicionada é o “post-listening-attribution”. Agora conseguimos tagear o site do cliente e identificar se a pessoa visitou o site da marca depois de escutar o áudio, mesmo o formato não tendo um click direto. Tivemos resultados muito interessantes e chegamos a ter clientes com mais de 4% de conversão.

Já 2019 promete ser ainda melhor. Temos um histórico de clientes que fizeram o formato e pretendem continuar e constantemente temos novos interessados. Acredito que neste muito se falará sobre assistentes pessoais e “smart speakers”, mas aqui no Brasil isso só vai se tornar realidade mesmo depois de 2020, principalmente pois ainda não temos players como a Amazon e o próprio Google vendendo seus aparelhos localmente. Mas o que vai realmente estar no “ouvido” das pessoas são os podcasts. O consumo vem aumentando bastante e em uma pesquisa recente feita pela Audio.ad, mostra que 25% de todos os entrevistados afirmaram escutar podcasts – nos EUA esse número já está chegando em 50%. Podcasts são um excelente formato para se construir marca e criar relações de mais longo prazo com seus clientes e já temos cases e marcas de peso começando a olhar o formato”.

Rodrigo Tigre, sócio e diretor da Audio.ad

Foco em live streaming e podcasting

“2018 foi um ano de crescimento tremendo para o mercado de áudio programático em todo o mundo, e o Brasil continua sendo um contribuinte significativo para esse crescimento por meio de sua contínua adoção de deals em open auction, evergreen e private marketplace em programático. A audiência de rádio digital do Brasil é incrivelmente forte, e com mais concorrência de compra do que nunca. Prevemos que as agências estarão focadas em aumentar seus orçamentos de publicidade para áudio digital em 2019, que incluirá live streaming tanto de rádios tradicionais quanto de pure players. Com as agências aumentando seus investimentos em áudio digital, insights de audiência também serão um foco, ajudando a educar e a informar novas estratégias de áudio digital. Juntamente com as tradicionais oportunidades de transmissão de rádio ao vivo, o interesse dos publishers que não são de áudio em produzir podcasts também segue crescendo em 2019, e os que já estiverem investindo em podcast buscarão maneiras adicionais de monetizar seu conteúdo nesse formato. ”

Benjamin Masse, Managing Director, Market Development & Strategy at Triton Digital

Aferição única de medição de audiência será desafio

“O ano de 2018 foi o melhor ano de audiência e resultado para o Grupo JBFM no streaming (audiência online conectada via áudio digital). Tivemos um crescimento de 18% no total das conexões online, alcançando 15 mil ouvintes simultâneos em horários de pico, e mais de um milhão de usuários únicos por mês. Ocupamos a quinta colocação no ranker geral da Triton entre todos os publishers da América Latina. Somos o primeiro entre os Brasileiros. O ano foi muito positivo na frente de monetização do nosso inventário de impressões de áudio. Nossa receita de campanhas via programática aumentou em mais de 200%. Aos poucos estamos conseguindo educar o mercado sobre os benefícios de campanhas direcionadas na compra de impressões de pré-roll e mid-roll. A parceria com a Áudio Ad e Triton, além da associação com a IAB tem sido fundamental para ajudar na venda.

O maior benefício do áudio digital para as rádios é que ele proporciona uma oportunidade de distribuir sua audiência em uma escala global. Além da publicidade direcionada, ainda se consegue relatórios de pós-venda, indicando o dia e horários em que a mensagem do cliente foi entregue (no FM isso não existe). Este ano, o maior desafio para o mercado será uma aferição única de medição de audiência. O Ibope precisa chancelar uma fonte para que os publishers possam chegar nas agências e clientes com a mesma informação. E dessas informações, quais seriam as métrica específicas para criar mais valor na entrega para o anunciante. Acredito que a Triton seja a melhor opção para se juntar com o Ibope e definir esses parâmetros.  Como tenência, acredito que a audiência online continuará crescendo. Ao passo em que a tecnologia está mais acessível, a audiência no tradicional FM migrará para o áudio digital. O rádio só tem a se beneficiar com essa migração. As agências estão comprando cada vez mais campanhas online e em 2019 essa receita dobrará”.

Antônio Manoel Brito – Co-owner da JB FM