Violação de dados em pauta no Brasil; Tradelab em conformidade com privacidade

No giro de notícias da semana: governo brasileiro e entidade do setor de publicidade condenam violação de dados e reiteram importância do respeito às leis que garantem a privacidade; Tradelab recebe certificação ePrivacyseal por compromisso com proteção de dados e conformidade com GDPR; vitrine virtual UmSóLugar traz infográfico sobre o avanço do mobile commerce no país.

Privacidade de dados na mira do Governo brasileiro e do CENP

Depois que 443 mil perfis de usuários brasileiros no Facebook foram confirmados entre os dados roubados pela empresa de pesquisa Cambridge Analytica, o governo brasileiro e entidades se posicionaram condenando a violação de privacidade pelas companhias envolvidas.

Em nota, o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações (MCTIC) se manifestou: “o governo brasileiro condena violações de privacidade na rede, além do monitoramento e espionagem eletrônica das comunicações e da Internet realizadas por qualquer agente econômico ou político, seja governos nacionais ou empresas”.

O ministério lembrou, ainda, que o direito à privacidade e ao sigilo das comunicações estão consagrados entre os direitos fundamentais assegurados na Constituição Federal, no artigo 5º. O governo também citou o decreto, aprovado em março, que instituiu o Sistema Nacional para a Transformação Digital e a Estratégia Brasileira para a Transformação Digital (E-Digital), que definirá as diretrizes para proteção e privacidade de dados digitas no país.

“Trata-se de política pública que visa a aproveitar todo o potencial das tecnologias digitais para a promoção do desenvolvimento econômico e social sustentável e inclusivo, com inovação, aumento de competitividade, produtividade e níveis de emprego e renda no país”, esclarece.

O E-Digital visa a aprovação de lei específica de proteção de dados pessoais, em trâmite no Congresso há alguns anos. Assim, o ministério enfatiza que o marco civil da internet, aprovado em 2014, determina a “proteção da privacidade e dos dados pessoais como princípios da disciplina do uso da internet no Brasil”.

Além disso, o Cenp (Conselho Executivo das Normas-Padrão) também se posicionou diante do caso, ressaltando que acredita na autorregulação ético-comercial do mercado como “instrumento hábil a prevenir e evitar desvios que coloquem em risco a segurança de dados privados de usuários de redes sociais, com danos reais aos agentes do mercado publicitário e consumidores”.

A entidade afirmou que os episódios recentes “não desmerecem a importância da tecnologia aplicada às comunicações nas chamadas redes sociais, mas serve de alerta para todos os sujeitos desse universo novo de comunicação, razão pela qual todos os que dele participam  – de agências de publicidade e seus clientes anunciantes às autonominadas ‘empresas de tecnologia’ que atuam de forma comercial como veículos de divulgação”.

Tradelab recebe certificação por compromisso com proteção de dados

Após extensa avaliação dos processos de coleta, armazenamento e compartilhamento de dados, a auditoria independente ePrivacy certificou que a empresa de mídia programática Tradelab segue os padrões europeus para o tratamento de dados de usuários da internet e está em conformidade com a General Data Protection Regulation (GDPR). Apesar da certificação se referir ao manejo de dados na Europa, continente onde a companhia nasceu, a empresa se empenhou em garantir o uso do mesmo procedimento para o Brasil, reconhecendo o crescente nível de exigência que o mercado brasileiro, acompanhando as discussões sobre segurança na internet, passa a impor àqueles têm acesso a seus dados – e investimentos.

O ePrivacyseal, selo amplamente reconhecido no mercado europeu de adtech, atesta aos internautas e anunciantes que seus dados são coletados com propósitos definidos e que são armazenados por sistemas seguros.

“O selo ratifica o engajamento da Tradelab com a proteção da privacidade dos internautas. Esse reconhecimento do nosso esforço só reforça o papel que a publicidade digital tem de servir aos internautas de todo o mundo”, ressalta o Managing Director da Tradelab Brasil, Essio Floridi. Ele acrescenta, ainda, que a empresa oferece o mesmo tratamento de dados em todos os países onde opera: “o respeito não pode ser seletivo. Acreditamos que os dados das pessoas, onde quer que elas estejam, devem receber o mesmo cuidado”.

Mobile commerce avança no mercado brasileiro

Entre os recentes movimentos observados no varejo online está a força que o moblile commerce tem ganhado. Segundo dados da 37º edição do Webshoppers, estudo segmentado promovido pela Ebit, somente no ano passado, o uso de dispositivos móveis para compras online alcançou 27,3% de share do mercado virtual. Acompanhando um aumento ininterrupto, observa-se que a média de crescimento anual da modalidade é de 56,7%, ao longo dos últimos cinco anos.

De acordo com Paola Rojas, gerente de marketing online da vitrine virtual UmSóLugar, para acompanhar o crescimento do setor é importante que os lojistas também estejam preparados para as novas tendências de consumo. “Ainda que tenha havido uma desaceleração do varejo nos últimos anos, o e-commerce brasileiro continua a dar sinais contínuos de progresso”. Ela reconhece que, neste momento, oferecer ao público plataformas consistentes, com o intuito de qualificar a experiência de consumo, pode ser crucial para fidelizar os clientes e atrair novos compradores.

Ainda na primeira metade de 2017, já lideravam os pedidos m-commerce ao menos três categorias sempre listadas entre 10 principais em vendas online como um todo, como Moda e acessórios (15%), Casa e decoração (14%) e Saúde, cosméticos e perfumaria (12%). Para 2018, o estudo prevê que o share em compras por meio de dispositivos móveis possa atingir 37% do número total de pedidos online.

Para Paola, não levará muito tempo até que o mercado também passe a notar a expansão em compras via dispositivos móveis em outras categorias, como eletrodomésticos ou móveis. Diante disso, ela enfatiza que o UmSóLugar já nasceu para desktops e smartphones e, por isso, surfa na onda mobile que o Brasil vivencia hoje. Confira abaixo o infográfico produzido pela empresa sobre o avanço do mobile commerce.