Google lança novas soluções em busca de atrair mais investimentos em suas propriedades

Sem grande alarde o Google lançou, nas últimas semanas, dois novos produtos que podem ter um grande impacto em diferentes áreas do mercado: Google Tag Manage e DFA Attribuition Modelling.

Os lançamentos são significativos. O tempo vai dizer que as novas ferramentas serão consideradas “meia boca” como foi a ferramenta de verificação de anúncios do Google, mas certamente ele está levando a sério a missão de facilitar a vida dos anunciantes para investir mais nas soluções do próprio Google.

Tag Manager

Tag Manager foi lançado semana passada e é uma resposta à crescente demanda e necessidade de uma solução para gerenciamento de tags. Vale lembrar que o produto do Google é GRATUITO e anunciantes e agências sempre reclamaram do preço de ferramentas deste tipo. Claro que vai gerar pressão nos preços dos atuais fornecedores. BrightTag, TagMan e os demais terão que mostrar sérios diferenciais e que são mais do que simples gerenciadores de tags e são adequados a grandes empresas. Por outro lado, Omniture e Coremetrics coexistem pacificamente com o Google Analytics. A diferença entre analytics e gerenciamento de tags é que o primeiro tem tarefas muito mais complexas e exigentes, sem desmerecimento da segunda categoria.

A BrightTag tem sido bem sucedida ao posicionar-se mais como uma distribuidora de dados, mas há diversas outras empresas do setor que terão que repensar seu negócio rapidamente.

Attribution Modelling

O segundo lançamento do Google foi a atualização da área de relatórios DFA, especificamente a voltada aos modelos de atribuição. Esta não é uma nova solução, mas por ser oferecida como um recurso extra em seu ad server já existente, inevitalmente isso levará os clientes de soluções de atribuição a rever seus investimentos.

Muitos irão argumentar que as soluções padrão do DFA são subjetivas. A diferença é que o Google está lançando uma solução que permite você criar seu próprio modelo de atribuição. Pode até ser um modelo ainda rudimentar, mas a expectativa é que ele se se torne mais robusto, a ponto de obrigar os anunciantes e agências a rever a necessidade de investir somas que chegam a seis dígitos por ano em soluções de modelos de atribuição e análise de ROI ( que na verdade na maioria das vezes são pouco usadas).

Google não para de crescer sua oferta de produtos e participação e no mercado

Os novos produtos do Google são, claro, independentes e abertos. Ou ao menos é o que o Google diz. O Tag Manager permite que você gerencie tags de outros fornecedores. Porém, não é uma tarefa muito simples de configurar, já que está escondida dentro de uma seção que permite a personalização da ferramenta. Aparentemente é mais simples de realizar isos hoje através dos recursos existentes do DFA e as tags de remarketing do Adwords.

O Google não cansa de afirmar que seu ambiente é aberto e Neal Mohan reafirmou isso recentemente no ATS Londres. E não há argumentos para afirmar que o Google está bloqueando outros fornecedores. Afinal, ele permite que terceiros participem do seu ambiente, ele apenas não faz disso uma tarefa fácil. Está cada dia mais fácil para agências e anunciantes em vez de optar por outros fornecedores, utilizar somente as soluções do Google, que torna esta tarefa cada dia mais simples. E não se pode culpa-los por isso, certo?

Foco na cauda longa

Na verdade, estes novos produtos não tem como objetivo colocar alguns dos competidores fora do negócio. Ao contrário: eles devem ajudar o crescimento de toda a categoria. Além disso, depois de experimentar e ver os resultados, é bem provável que as empresas queiram fazer um upgrade para uma solução corporativa. Isso pode nos levar a crer que o foco do Google ( pelo menos até lançarem uma versão corporativa) não são os grandes anunciantes, mas sim os pequenos e médios que formam cauda longa? Como ele pode aumentar ainda mais a receita de PPC vindo da cauda longa? É possível simplificar a tarefa de incluir tags de remarketing do Adwords e permitir que seus anunciantes vejam resultados gerados não apenas pelo último clique?

O Google está claramente buscando uma forma de manter os investimentos atuais em suas propriedades e, claro, atrair novos anunciantes. E até agora, ele tem feito um grande trabalho em manter seus anunciantes satisfeitos e, sem dúvida, os anunciantes irão receber de braços abertos novas soluções que tornem o gerenciamento e execução de campanhas mais simples ainda. Mas a verdadeira dúvida é se o Google será capaz de manter seu ambiente aberto aos competidores e, se realmente, no final das contas o objetivo não é apenas empurrar suas próprias soluções dentro de seu próprio ambiente, mas sim de ter uma participação significativa nas soluções de infraestrutura e compra de mídia disponíveis para os anunciantes.

(este artigo foi publicado originalmente em inglês no ExchangeWire.com)