Para consumidores, personalização de anúncios ainda não é satisfatória

Os consumidores querem anúncios digitais personalizados, mas acreditam que ainda não é o que estão vendo. Uma pesquisa realizada em fevereiro pela Adobe Digital Insights (ADI) revelou que mais de um terço dos entrevistados preferem receber uma mensagem personalizada das marcas. Quando expostos a um anúncio na internet, apenas menos de um terço dos consumidores não se importam com a personalização.

As pessoas querem ofertas que vão de encontro com seu perfil, interesses e preferências, mas esses anúncios ainda estão aquém das expectativas. Apesar de preferirem essas mensagens personalizadas, quase um terço dos participantes entre 18 a 49 anos acreditam que a qualidade desses anúncios não é suficiente. Essa impressão ainda é mais negativa conforme a idade avança.

De fato, os anúncios não estão funcionando como deveriam, e as marcas não estão percebendo isso. O estudo mostra que 58% dos anunciantes consideram que estão fazendo um bom trabalho, entregando anúncios relevantes e valiosos, enquanto somente 38% dos consumidores concordam.

Essa discrepância de 20% indica que as marcas alcançaram nos últimos anos alguns avanços na entrega de anúncios relevantes, mas está longe de ser satisfatória, analisa Tamara Gaffney, analista principal da ADI. “A razão é a quantidade extremamente instantânea de tempo que elas têm para demonstrar valor para o consumidor. As empresas ainda não estão prontas para fazer isso.”

Fragmentação e tecnologia são os principais motivos que barram esse progresso. De acordo com a analista, não somente as organizações são fragmentadas, mas também as tecnologias, o que dificulta chegar à marca dos cinco segundos – o tempo ideal para garantir que o anúncio foi entregue com qualidade e relevância. E na corrida da internet, tempo e atenção valem ouro, e sairá na frente quem conseguir oferecer a melhor experiência digital ao usuário.

A competição para adquirir tráfego de usuário está cada vez mais acirrada. Nos Estados Unidos, por exemplo, um país em que a população com acesso à internet já está estabilizada, as visitas totais a websites caíram 0,4% nos últimos três anos. Por outro lado, o custo da publicidade digital aumentou, em média, em 12% nos diversos canais, avançando cinco vezes mais que a inflação do país.

Ao mesmo tempo, a pesquisa indica que os anunciantes aumentaram os gastos com search em 12%, contudo, conseguiram ampliar o número de visitantes de seus sites em 11%. Outro agravante é que o tempo gasto pelos usuários nos sites tem caído 22 segundos (6%) anualmente.

A boa notícia, segundo o levantamento, é que os anunciantes acreditam que estão melhorando suas capacidades de entregar mensagens customizadas de acordo com os interesses de seus públicos. Sem dúvidas, a personalização é a arma para fisgar a tão disputada atenção do consumidor. 

 

Comentários