Digital responderá por 50% dos gastos globais com publicidade até 2020

publicidade_digital

Na última semana, o eMarketer revelou sua última projeção global referente aos gastos publicitários. A expectativa é que os investimentos publicitários avancem 7,4% este ano, para US$628 bilhões, segundo o “Global Ad Spending: The eMarketer Forecast for 2018”. Gastos com gastos com publicidade digital na América Latina devem saltar de US$ 10 bilhões em 2018 para US$ 14,7 bilhões em 2022.

A publicidade digital responderá por 43,5% dos investimentos, graças ao aumento dos gastos com ecommerce em todo o mundo e à migração da audiência da TV tradicional para os canais digitais. Até 2020, a fatia do digital no total dos investimentos em publicidade será de aproximadamente 50%. Os gastos globais com mídia crescerão continuamente, com média de 5% ao ano até 2022, impulsionados pelo avanço do digital.

Na América Latina, os gastos com publicidade aumentarão 8,7%, para US$ 38,04 bilhões em 2018, o que faz da região o quarto maior mercado global. O eMarketer lembra que vários mercados da região enfrentam desafios econômicos, mas eleições em alguns desses países, como o Brasil, e a Copa do Mundo manterão o mercado de publicidade aquecido.

Segundo o relatório, a participação do digital no total de gastos publicitários da América Latina ficará abaixo da média mundial: 26,3% contra 43,5%, isso por conta da força ainda exercida pela TV nesses mercados. À medida que os anunciantes latinos passam a destinar mais verbas para o digital, acompanhando o aumento da penetração da internet e a adoção de smartphones, a expectativa é que os gastos com publicidade digital saltem de US$ 10 bilhões em 2018 para US$ 14,7 bilhões em 2022. Até lá, o digital representará um terço do total de gastos com mídia.

Já os dispositivos móveis serão responsáveis por 13,9% dos gastos com mídia na região este ano, com previsão de saltar para 25,8% até 2022. Mesmo que tenha feito grandes progressos em impulsionar seus investimentos no mobile, a empresa de pesquisa ressalta que a América Latina ainda fica atrás da maioria das outras regiões – a média mundial de gastos com mobile ficará em 29,2% em 2018 e deve aumentar para 41,9% até 2022.