Giro de notícias: A semana da mídia programática

A semana foi marcada por três novas contratações na DynAdmic, que consolida expansão brasileira e inicia os planos internacionais na América Latina. No cenário internacional, uma pesquisa da Microsoft enfatizou a maior demanda por controle dos dados compartilhados online por parte dos consumidores.

A Dynadmic, empresa francesa de programático para vídeo, anunciou três novas contratações para a equipe no Brasil. Guilherme Santin assume a posiçõa de gerente de tráfego; Gilmara Souza como gerente commercial para Brasil e Valérie Behr, por sua vez, fica com o cargo de gerente comercial para América Latina.

DynAdmic new teamDe acordo com a empresa, as contratações suportam o crescimento da empresa no Brasil e o início da expansão latino-americana, que terá Valérie como elo para clients do México, Colômbia e Chile, com base no escritório brasileiro em São Paulo. A francesa acumula experiência como gerente de produto na CEFI International, bem como chefe de publicidade internacional na Horyzon Media, onde trabalhou por quatro anos em diferentes posições.

Santin possui passagens na Predicta e TailTarget. Já Gilmara possui 14 anos de experiência “do outro lado da mesa”, em varejistas como Magazine Luiza, Lojas Renner e em agências como AtmoDigital e Ateliê de Propaganda.

Controle e Transparência

Uma pesquisa retirada do relatório bi-annual da Microsoft Digital Trends revelou que mais da metade (56%) dos consumidores britâncios buscam na tecnologia um filtro para as mensagens que recebem. Ainda, 78% desejam auxilio de ferramentas tecnológicas para gerir as informações que eles compartilham online.

Três quartos (75%) dos consultados estão cientes de que dados disponibilizados digitalmente podem ser usados em troca de recompensas ou melhores experiências com as marcas, e 42% estão interessados nessa troca – desde que haja uma linguagem mais transparente e clara dos termos. De acordo com a empresa, os resultados mostram uma demanda por mais privacidade e transparência do mercado, tanto por parte das marcas quanto para os provedores de service online.

A conclusão é que os clientes não se importam de que as empresas usem seus dados online, desde que eles tenham mais controle sobre quais as informações que serao compartilhadas e realize a melhor gestão delas.