Rocket Fuel abre escritório no Brasil

A DSP norte-americana terá a operação em São Paulo como o centro das atividades na América Latina, como parte de sua estratégia de expansão para mercados emergentes classificada como “agressiva” pela própria empresa.

A Rocket Fuel afirmou que trabalhará com base em parcerias e com estreita colaboração com agências no Brasil também para o desenvolvimento de produtos e soluções. Citando números da eMarketer, a justificativa para operação local se deu com os promissores números do mercado brasileiro, que fechou 2014 com investimento de US$ 2,88 bilhões em publicidade digital e US$ 3,33 bilhões estimados para este ano.

“O Brasil representa atualmente metade do gasto com publicidade na América Latina, e com rápida adoção de tecnologia de publicidade, foi um ponto de partida natural para a Rocket Fuel para centralizar nossas operações regionais e demonstrar o nosso compromisso com os mercados emergentes do BRIC”, justificou o vice-presidente da Rocket Fuel para o setor internacional e móvel, Mark Prior.

À frente da operação no Brasil está Edvaldo Acir, que terá como cargo diretor geral. Ex-presidente do Comitê de Adtech & Data do IAB, Acir veio da Vizury, onde participou do lançamento de sedes regionais (no Brasil e no México) e construiu a base de clientes. Também participou no levantamento de recursos entre fundos do mercado. Em sua carreira, estão empresas como Fox, Terra Networks, Movile e Grupo Abril.

“A Rocket Fuel vê 1,1 bilhão de solicitações de ofertas no Brasil com um forte alcance em exibição, móvel, social e em vídeo”, comenta Acir, em comunicado. Também em nota, o vice-presidente do Webedia Group reconheceu a dificuldade do mercado em identificar o papel de cada organização no ecossistema da mídia programática. “A tecnologia avançada tornou-se indispensável na publicidade digital, mas é muito difícil identificar a diferença entre os participantes.

Episódio em 2014

A Rocket Fuel esteve envolvida há pouco menos de um ano em um grande caso de fraude no mercado de anúncios digitais no Reino Unido, citada pelo Financial Times a respeito de uma campanha da Mercedez-Benz. À época, a companhia alegou que “bots são um problema real, mas menores que manchetes sensacionalistas da mídia”.

O artigo dizia que 57% das impressões da tal campanha em questão eram visualizadas por bots. Ao longo do texto, o jornal reiterava que em toda a campanha as fraudes não passaram de 6% e que a Rocket Fuel teria reembolsado as impressões inválidas.

O comunicado da Rocket Fuel ainda reforçava que enquanto 200 mil impressões haviam sido entregue por bots, outras 497.827.451.520 impressões fraudulentas tinham sido rejeitadas pela tecnologia da empresa, reforçando o combate às fraudes, um grande desafio para o mercado digital.