O mundo nos próximos 20 anos

Edmardo Galli, iOne

Nas últimas duas décadas, a tecnologia provocou inúmeras disrupções e modificou nossa interação com pessoas e marcas. Redes sociais, vídeos sob demanda, pagamentos online, ecommerce, streaming de música e, sem contar os smartphones, que se tornaram tão indispensáveis. Neste artigo, Edmardo Galli, CEO da IgnitionOne, analisa as principais previsões de futuristas sobre os próximos 20 anos, e uma coisa é certa: as evoluções tecnológicas acontecerão cada vez mais rápidas.

Estou no mercado digital há 20 anos, desde o início da Internet comercial no Brasil. Durante esses anos, presenciei e participei ativamente da completa transformação que a internet deflagrou no mundo. As mudanças foram incríveis e em todas as áreas. Da medicina à maneira como nos relacionamos socialmente. E, sem dúvida, o mercado tecnológico foi um grande protagonista dessas mudanças. Vamos rever algumas das mudanças que a Internet proporcionou nos últimos anos:

Locadoras de vídeo ainda dominavam o mercado e não conseguiram prever o surgimento disruptivo do Netflix; há exatos 20 anos surgiam os celulares “tijolões”, do tamanho de um telefone fixo e com longas antenas – curioso observar que apenas um ano depois, em 1996, os celulares já tinham seu tamanho reduzido em 50%; Android era uma pequena startup que o Google tinha acabado de comprar, e hoje o Google já tem mais de 1 bilhão de usuários de Android ativos; ninguém tinha ouvido falar de Uber ou AirBnb, hoje empresas que valem mais de $20 bilhões cada uma; Facebook, Twitter, Instagram, Snapchat, Tumblr, Spotify, Skype e muitas outras ferramentas que hoje usamos intensamente em nosso dia a dia, simplesmente não existiam.

Nada mal para pouco menos de duas décadas… Todas essas evoluções tecnológicas em tão pouco tempo nos deixam imaginando: o que vem por aí nos próximos anos? Os futuristas (especialistas em fazer previsões para o futuro) tem respostas para isso. O Huffington Post reuniu 7 grandes futuristas para nos dizerem o que está por vir. Aqui vão algumas previsões que com certeza irão surpreender você

1. Dr. Michio Kaku, professor de física teórica na City University of New York:

  • Teremos a “Brain-net” – basicamente o mesmo que a internet, só que interligada pelos nossos próprios cérebros.
  • Poderemos “fazer upload” das nossas memórias, pensamentos, emoções e sentimentos em uma nuvem coletiva.

Já imaginou como será fazer download de conteúdo direto para o nosso cérebro? Se não, comece a pensar pois você fará isso muito em breve…

2. Em seguida um dos meus futuristas favoritos, Ray Kurzweil, considerado um dos 10 empreendedores mais fascinantes nos EUA e contratado pelo Google para dirigir o desenvolvimento de inteligência artificial na empresa. Suas previsões:

  • Desenvolvimento das impressoras 3D, acessíveis e presentes no dia a dia das pessoas.
  • Roupas, por exemplo, poderão ser impressas por um custo baixíssimo e as pessoas passarão a fazer o download de modelos desenhados por grandes estilistas, como fazemos hoje com e-Books, música e filmes.
  • Nossas células tronco serão matéria prima para as impressoras 3D imprimirem novos órgãos e novas partes defeituosas do nosso corpo, tratando doenças juntamente com a nanotecnologia.
  • O Teste de Turing (que mede a capacidade de uma inteligência artificial “parecer” um ser humano) será efetivo pela primeira vez. Não saberemos distinguir um computador de um ser humano.

Ou seja, poderemos produzir quase tudo o que quisermos em casa, com um custo baixíssimo e em muito menos tempo. Isso sem contar a capacidade incrível de repor órgãos que iremos ter em breve.

3. A Dra. Anne Lise Kjaer, fundadora da agência Inglesa de previsão de tendências Kjaer Global, nos diz:

  • Muitos estudos serão feitos para tratar doenças crônicas, uma vez que a OMS prevê que em 2020, quase 75% das mortes no mundo serão causadas por essas doenças.
  • Pacientes poderão ter um feedback instantâneo das suas condições por meio de apps, podendo identificar possíveis sinais de uma doença grave logo em seu início.

Imagine como nossa expectativa de vida vai aumentar…

4. A seguir, temos o Dr. James Canton, CEO da Institute for Global Futures, de São Francisco. Canton explica que:

  • Os wearables e a Inteligência Artificial vão dominar o mundo.
  • “Internet de todos e tudo” – uma mesma rede que abrange todos os humanos e objetos.
  • Inteligência Artificial em áreas e produtos como automóveis, robôs, casas e hospitais.

Estaremos cada vez mais próximos do conteúdo que buscamos, da educação, empregos e cura de doenças. O mundo será automatizado e menos suscetível a erros, pois os computadores cuidarão de quase tudo. Teremos mais tempo para nos ocupar com tarefas mais gratificantes e prazerosas.

5. Jason Silva, apresentador do programa “Brain Games”, do National Geographic Channel, afirma que em breve:

  • O mundo será sob demanda: economia, transporte, hospedagem, educação, saúde.
  • Já estamos no início dessa “revolução sob demanda”.
  • Uber e AirBnB: você pensa e seu desejo se materializa (seja um carro para se transportar ou um apartamento para passar a noite), totalmente instantâneo, conectado e exclusivo.

Esse é um conceito muito interessante, real e sem volta. Se você quiser saber mais sobre ele e a “revolução sob demanda” numa explicação rápida e simples do próprio Jason, assista a esse vídeo.

6. Já o Dr. Amy Zalman, CEO e presidente da World Future Society, aposta que:

  • Nosso conhecimento sobre nossas atitudes e comportamentos será extremamente avançado.
  • Poderemos desenvolver soluções para entendermos como confiamos, cooperamos e aprendemos. E também como lutamos e odiamos. Nossas relações interpessoais serão compreendidas de maneira profunda, sejam elas de amor ou de ódio.

Sabendo como agimos e por quê agimos, teremos o poder de criar futuros e governos melhores. Nossas decisões serão mais embasadas e saberemos compreender o próximo de uma maneira mais humana.

4. Por fim, Mark Stevenson, autor do livro “An Optimist’s Tour of The Future”, diz que a tecnologia não é o mais importante, mas sim o que fazemos com ela:

  • Precisamos de novas formas de organização.
  • Devemos seguir os exemplos das escolas que aboliram a grade escolar para focar em aprendizados que interessam a cada aluno.
  • Teremos uma sociedade mais unida e que consegue caminhar para um futuro melhor, unida.

É sempre bom lembrar que previsões são apenas previsões. Mas, por outro lado, com a velocidade que temos observado as mudanças em nossa sociedade, não será nenhuma surpresa se essas visões se concretizarem de fato. O que posso afirmar, com certeza absoluta, é que os próximos 20 anos serão ainda mais interessantes do que os últimos 20 anos. Preparem-se!

Comentários


  • Quanto a escolas não concordo. Sou a favor do ensino tradicional nas escolas, mas com as crianças e adolescentes, aprendendo a utilizar a informação + computador + internet, aprendendo a usar tecnologia com responsabilidade, desde bem pequenos.

  • O seu item 4 se refere à Internet das coisas, que atualmente se refere aos smartphones wireless, telefone IP wireless, cameras IP wireless, televisor smart-tv wireless, roteador wireless, impressoras wireless, computador wireless, etc

  • Andresa Oliveira

    Sou super a favor de escolas construtivistas que possam auxiliar crianças e jovens a explorarem suas principais tendências, que aparecem cada vez mais cedo nessas novas gerações. Não faz sentido “induzir” todos a aprenderem os mesmos conteúdos, da mesma maneira, se queremos uma sociedade que mude, rompa padrões de comportamento estagnados. Precisamos estimular a criatividade, a inovação.

    • Aislan Maia

      Concordo plenamente. Estes tipos de escolas serão fator principal para a mudança de comportamento prevista pelo Mark Stevenson.

  • Rafael Almeida

    O que é real e que vocês não conseguem controlar é que essas mudanças tecnologicas já não comovem mais muito as pessoas. Todas sabem que isso tudo já podia existir hoje mas insistem nessas coisas de programar pra quando algo irá estrear sendo que já está tudo pronto.

  • Ailton M Mendes

    Que o nosso país Brasil possa usufruir de todos estes avanços para acabar de vez com as desigualdades sociais e acompanharmos o avanços tecnologias que ainda estão por vir!

  • Heloisa Amado

    Mais uma vez o Brasil está ficando desafado tecnologicamente por causa da nossa politica e economia. Com o dólar alto e cortes em gastos com educação e pesquisa , não vamos aproveitar as novas tendencias como os wearables e a “Internet das Coisas”. Lamentável a perda de excelentes projetos por falta de consumidores que possam usufruir de conforto, praticidade e novos produtos.

  • “Teremos mais tempo para nos ocupar com tarefas mais gratificantes e prazerosas.”
    Foi o que disseram no começo da era dos computadores. Eu vejo que trabalharemos mais, inclusive remotamente, pois as tarefas caseiras (fazer compras, limpar a casa, etc) não estarão mais a nosso cargo. Com isso quem quiser ganhar um pouco mais vai passar e ter dois empregos, dará menos atenção prá família, se divertirá menos, tudo devido ao tempo ganho e o desejo que ter mais dinheiro.

  • Becky Sharp

    Pintam um futuro muito cor de rosa que provavelmente so podera ser usufruído por uma minoria da população mundial, como hoje por exemplo onde se estima que so 3 dos 8 bilhões de pessoas no mundo tenham acesso à internet. Fora o fato de que em 20 anos a população vai crescer exponencialmente e ainda não teremos como colonizar e explorar planetas próximos, vamos enfrentar a falta de recursos naturais para manter esse povo todo consumindo e produzindo lixo.

  • Alessandro Perigo

    Preparem-se …preparem-se para o futuro.