Mobile First? Ano do Mobile? Ou Mobile Only?

mobile-publicidade

A sua comunicação está adaptada a um consumidor cada vez mais “mobile only”? Em artigo exclusivo para o ExchangeWire Brasil, Alberto Pardo (foto abaixo), CEO e fundador da Adsmovil, reflete sobre a nova realidade à qual as marcas precisam se adaptar: o crescimento de usuários “mobile only”, população que aumentou 9,1% em 2017 no Brasil.

As expressões “mobile first” e “o ano do mobile” foram bastante exploradas nos últimos tempos por conta da expansão de dispositivos móveis e consequente aumento do consumo de informações via smartphones. O novo estudo da comScore “Global Digital Future in Focus” mostra que em breve deveremos nos acostumar com uma nova expressão: “mobile only”. O relatório apresenta o contínuo crescimento da porcentagem de usuários somente mobile, que já supera 30% do total em quase metade dos mercados considerados.

Alberto Pardo, CEO e fundador da Adsmovil

A concentração do tempo dos usuários em aplicativos e em algumas subcategorias, como multimídia e redes sociais, além do rápido crescimento do consumo de vídeos são outras tendências apontadas no estudo. Aproveito para compartilhar abaixo os principais dados do Global Digital Future in Focus:

Aplicativos
Ao isolar os minutos gastos em dispositivos móveis, observa-se que há um domínio de mais de 80% de todo o tempo via aplicativos. No Brasil, os apps são ainda mais relevantes, sendo responsáveis por 91% do tempo dispendido.

Mobile X desktop
Quando se analisa separadamente os usuários de desktop e mobile, percebe-se que aqueles que utilizam dispositivos móveis consomem mais do que o dobro do tempo na internet em comparação aos demais usuários.

Mobile Only
As audiências “mobile only” já estão em segundo lugar, atrás apenas dos usuários “multiplataforma”. Em quase metade dos mercados estudados, a porcentagem de usuários somente mobile já passa de 30%. No Brasil, a população “mobile only” cresceu 9.1% em 2017, representando a maior taxa de aumento entre todos os países da amostra.

Vídeo em alta
Ao analisar os dados referentes ao mercado norte-americano há indícios de crescimento do consumo de vídeo online por meio de todas as plataformas digitais, especialmente no mobile, que teve crescimento três vezes superior ao de desktop nos últimos 12 meses.

Multimídia e redes sociais dominam
Em alguns mercados, três subcategorias absorvem mais da metade de todo tempo gasto em digital. Multimídia (que inclui muitos serviços de transmissão de vídeo) e redes sociais são os que lideram a divisão do tempo. A proporção da subcategoria de mensagens instantâneas é relativamente alta, visto que os minutos têm origem, quase exclusivamente, em plataforma móvel.

Não é novidade que o digital vive em constante e rápida transformação. Essa realidade exige que as marcas estejam antenadas ao modo como o consumidor se comporta nas diferentes plataformas para que a comunicação seja efetiva. Deixo algumas reflexões para os anunciantes:

  • A minha comunicação (site, visual, linguagem e formatos) está adaptada a um consumidor cada vez mais “mobile only”?
  • Será que tenho aproveitado de forma efetiva os dados disponíveis dos meus clientes e potenciais consumidores?
  • O planejamento e investimento de mídia estão em equilíbrio com as tendências de consumo dos usuários?
  • Minha estratégia está adequada para impactar o meu público durante a navegação via aplicativos?

Como tenho diferenciado a comunicação da minha marca por meio da publicidade em vídeo?

Comentários