Anunciantes e entidades americanas unem forças para criar rótulo de transparência

No início de outubro, grupos formados por anunciantes americanos e entidades independentes uniram forças para aumentar a transparência de dados. A solução encontrada: adoção pela indústria de um “rótulo” de transparência, com informações cruciais sobre os dados, como fonte, coleta, critérios de segmentação e outras especificações.

Frequentemente, profissionais de marketing adquirem dados de outras empresas (third party data) para ajudar suas campanhas a alcançarem um público maior. O desafio, contudo, é avaliar a qualidade desses dados.

Segundo uma pesquisa realizada em janeiro com 300 profissionais de marketing da área de telefonia móvel dos EUA pela Tune e pela Forrester Consulting revelou que cerca de um terço dos entrevistados consideram que gerenciar a qualidade dos dados é um grande desafio.

Assim, o “rótulos de dados” têm como objetivo trazer mais clareza aos profissionais de marketing sobre a qualidade de seus dados e criar uma conscientização sobre os detalhes que eles deveriam procurar quando buscam transparência. A ideia é que toda a confusão que atualmente gira em torno dos dados seja mais palatável, assim como as informações nutricionais de um alimento são descritas na embalagem.

Dessa forma, grupos de anunciantes, como Data Marketing e Analytics (DMA) da ANA e a Coalition for Innovative Media Measurement (CIMM), aliaram-se ao IAB Tech Lab e Advertising Research Foundation (ARF) para desenvolver rótulos que facilitam a compreensão dos segmentos de dados pelos profissionais de marketing.

De acordo com o eMarketer, o fortalecimento de grupos reflete uma consolidação mais ampla no setor de publicidade digital. Dessa forma, a ampla adoção dos rótulos de dados podem facilitar a compreensão e a navegação pela publicidade orientada por dados.

O rótulo mostra quem forneceu o segmento de dados, bem como as informações de contato, tanto para o distribuidor de soluções de dados quanto para o provedor original. E, ainda, revela informações sobre o segmento de público-alvo, cobertura geográfica, como o mesmo foi construído (modelos e expansões cross-device, taxas de atualização de público-alvo, lookback, etc). Também estão incluídas a fonte de dados e as técnicas usadas para coletá-la.

As empresas têm o prazo de seis meses para ajudar no desenvolvimento da ferramenta. Elas poderão testar o rótulo com base em 50 segmentos de público-alvo fornecidos por empresas como Oracle Data Cloud, LiveRamp, Neustar, Lotame, Acxiom, Experian, TruSignal, Fluent e FullContact.