Remando rumo ao brand safety

 

O recado está dado à indústria e os esforços em torno do brand safety são esperados de todas as partes do ecossistema digital. Neste artigo escrito exclusivamente para o ExchangeWire Brasil, o CEO e fundador da Adsmovil, Alberto Pardo, discute a necessidade de padronização de normas de transparência e monitoramento de mídia para que todos remem no mesmo sentido da maré.

A discussão sobre o tema combate à fraude e transparência na mídia programática deixou de ser debatido apenas por uma minoria de players para se tornar a pauta do dia em agências, anunciantes e meios de comunicação. Esse período de “incertezas” que vivenciamos no digital nos impõe uma mudança de postura e posicionamento em relação a essas questões. Mais do que isso, exige que todos os agentes deste ecossistema se unam em prol, por exemplo, da padronização de normas e processos que permeam as melhores práticas em campanhas, no que diz respeito a ética e transparência. Estamos todos juntos no mesmo barco, mundialmente falando.

Alberto Pardo, CEO e fundador da Adsmovil

No entanto, no mar aberto da internet, a transparência acaba se tornando um valor para poucos. Isso porque muitos players ainda possuem a mentalidade de que a quantidade vale mais do que a qualidade. Em quais veículos a campanha digital aparece, a taxa de viewability e qual o público impactado são pontos cruciais que todos devem ter ciência para garantir o brand safety. Um estudo realizado pela comScore na América Latina, publicado no final de 2016, mostra que uma das principais barreiras que impedem o amadurecimento da mídia programática na região é a falta de clareza sobre os dados das campanhas.

Para que essas barreiras sejam vencidas é preciso que tenhamos uma maior mobilização e que providências comecem a ser tomadas. Dificilmente a solução para esses pontos surgirá da noite para o dia. Podemos notar que o IAB já está fazendo a sua parte, debatendo e acompanhando as notícias do mercado a respeito das questões de brand safety e discutindo o assunto nos 45 IABs ao redor do mundo, além da introdução do viewability na medição digital, a adoção de métricas tradicionais de entrega de publicidade e pesquisas para mensurar a efetividade de campanha.

No Brasil, a associação lançou recentemente, no evento Branding & Performance 2017, um manifesto que convoca o mercado a se unir a favor de mais  transparência e ética. O anúncio foi feito pelo presidente da entidade, Cristiano Nobrega, que reforçou a importância de manter relações comerciais transparentes, com parceiros éticos e comprometidos com resultados e que, nesta missão, todos os envolvidos na cadeia devem assumir sua corresponsabilidade.

O recado foi dado e a convocação feita para que todos trabalhem a favor do brand safety. Agora, cabe a cada player identificar quando e como reagirão diante desse cenário. É claro, se todos começarmos a falar a mesma língua, padronizando normas na transparência e monitoramento de mídia, e remarmos no mesmo sentido da maré tudo será muito mais prático e eficaz.

 

Tags

Comentários